Três da Tarde…

Três da tarde. Os relógios da cidade param. O tempo congela. Tudo pára menos eu! Eu caminho até ti que estás congelado. Caminhavas na minha direcção com o mesmo sorriso cativante. Lamento, meu anjo, mas esse sorriso já não me provoca alegria, só tristeza. Esse sorriso já não faz palpitar o meu coração agora tão desiludido.

Olho para ti. Olho para esses olhos que com tanta sinceridade mentiam. Sinto-me tão idiota, por ter pensado em ti de outra maneira que não fosse amizade. Sinto-me tão estúpida. 

Não te preocupes…a culpa não foi só tua! Eu também errei por te ter…deixado aproximar com tanta intensidade.

Três da tarde. Quando o tempo voltar segue em frente que, eu prometo fazer o mesmo. Eu ,sim, cumprirei, agora, as minhas promessas que recaem em nunca mais te ver.

Três da tarde. Quando voltares à realidade não sintas a minha falta que…eu…não agora mas, um dia prometo não sentir a tua.

Esquece-me tal como eu te esquecerei. Esquecerei o teu aroma que me deixa embriagada, que me leva para um futuro…agora sem ti, porque são três da tarde!

Não guardes a minha gargalhada na memória que, eu prometo fechar a tua num baú bem no fundo de mim.

São três da tarde, meu anjo! A hora fatídica em que tu voltas para ela, iludindo-me. Voltas para o sorriso falso dela! Voltas para os braços que te querem sufocar até ouvirem o teu último suspiro. Voltas para ela por amor? Por conforto? Por desespero? Não precisas de responder! Já nada me atormenta!

Tu estás congelado. Eu estou ao teu lado. Observando-te uma última vez. Guardando em mim, a última vez que verei esse olhar dirigido a mim e somente a mim! Peguei na tua mão. Já não sinto aquele calor, a tua pele está gelada. Por entre os teus dedos deixo-te uma rosa. Uma rosa vermelha sanguínea que, apesar de paixão ser o seu significado comum, entre nós significa morte. 

Esta rosa tem em si toda a morte do carinho que nutria por ti. Fechei os teus dedos envolvendo o caule espinhoso. Espinhos que suportei por ti e que tanto me feriram!

Não vejas isto como um até já! Vê como um adeus! Só eu saberei o quanto me vai custar…mas preciso de alguém que me ofereça alegrias e não sofrimento conforme tu o fazes.

Acredito que, poderia ter sido tudo tão diferente…mas…não há voltar a dar!

Porquê?

São três da tarde!

 

Espero que tenham gostado de mais um devaneio meu!

Vemos-nos no próximo post!

Beijinhos viçosos,

A Alfacinha

 

 

 

Comments

  1. Amilton Júnior

    Que texto maravilhoso e que abre espaço para múltiplas interpretações. Quando perdemos o amor por alguém que muito estimávamos é algo desconfortante, triste e que nos faz perder qualquer admiração ou sentimento.
    Fiquei na dúvida se por vingança as mãos gélidas representaram uma morte fatídica ou se realmente o traidor agora estará livre para viver o que procurou. Amo textos que não fecham com tanta certeza, merece aplausos constantes!
    Abraços! 😊

  2. Evandro

    Às vezes é preciso seguir em frente. Deixe as lembranças guardadas no baú, pois talvez algum dia possam lhe servir para algo bom, nem que sejam para matar a saudade. Normalmente criamos expectativas e achamos que a vida gira em torno delas, mas o tão almejado Oasis de felicidade parece ter um mapa diferente para cada um.

  3. Malu

    E essa despedida com gosto de fica? É dolorido Né? Mas as vezes é extrema e urgentemente necessário! Adorei o devaneio em forma de poema.

    1. Post
      Author
      A Alfacinha

      Olá querida Malu! É bem dolorosa sim, mas foi necessária! Merecemos ser felizes e não andar sempre em sofrimento. Beijinhos e obrigada por comentares.

  4. Lucimar da Silva Moreira

    Texto maravilhoso todos nós merecemos ser felizes mesmo que pra isso haja uma despedida, pois pra ser feliz temos que passar pelo sofrimento pela tristeza, e ir em frente e não deixar que o sofrimento venha está perto de nós, bjs.

  5. Cidália

    Muito bom esse devaneio, parabéns pela escrita!! Vi essa despedida como uma libertação de sentimentos ruins, dos espinhos que apesar de ferirem são suportados. Tudo na vida passa, graças a Deus! É hora de deixar a tristeza para trás e seguir adiante!!

    Beijos!

  6. lenny

    Seu texto é tao profundo…Não há palavras para descrever esse tipo de dor. Isso só dói … como o inferno. O sol não brilha tão intensamente, a vida se move um pouco mais devagar, e seu coração – ele simplesmente não bate mais do mesmo jeito.
    Existe essa dormência – em tudo.

  7. Maria José

    Olá!Belíssimo texto,um pouco triste mas nos deixa uma ótima reflexão.
    Despedidas são dolorosas mas as vezes necessárias para para se libertar do sofrimento,pois temos que buscar sempre a felicidade.Bjss

  8. Paula Cardoso

    Espero que devanei muitas vezes porque estes textos são maravilhosos. Carregados de sentimento. Senti cada palavra, cada frustração, cada sentimento… Parabéns pela sua maravilhosa escrita.
    Um beijinho

    1. Post
      Author
  9. cila-leitora voraz

    Oi Alfacinha, sua linda, tudo bem?
    Recentemente eu descobri um livro com um título que chama bastante atenção e faz muito sentido: o que não é recíproco não perca seu tempo. Quando li seu texto lembrei dessa frase. Às vezes, nossos sentimentos não são correspondidos, não podemos alimentar falsas esperanças, ficar com alguém que só nos faz sofrer. Seguir em frente, deixar para trás é muito importante. Gostei muito do seu texto.
    beijinhos.
    cila.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *