Descobrindo Saramago!

Fonte: Wook

Olá,

Temos post na “Estante dos Sonhos”!! Aleluia!

Hoje vamos abordar…o bicho papão da Escrita! O Anti-Discurso Direto! Já sabem quem é?

Acertaram minhas Alfaces! José Saramago!

Para quem não sabe no 12ºano, é de leitura obrigatória uma obra do Nobel da Literatura portuguesa. Este ano, deixou de ser o “Memorial do Convento” para dar a oportunidade à obra ” O Ano da Morte de Ricardo Reis”. 

Confesso que, ao início estava bastante reticente já que tinha tentando ler duas obras de Saramago…e acabei por desistir a meio devido à perda do interesse na obra e…à dificuldade que sentia em perceber (Tenho de admitir que…se calhar foi um pouco prematuro visto que, esta tentativa se deu com os meus meros 13 anos. #QueInformaçãoDrámatica!?)

Dei uma tentativa a esta obra e…resultado final? Adorei! Fiquei completamente fã da narrativa que acontecesse na nossa querida capital. Percorrendo as ruas e vielas… As personagens cativam-nos. Ricardo Reis que, com todo aquele seu desprendimento acaba por…conhecer Lídia! Será que foi a Lídia das suas odes? Aquele que, ele tanto queria e invocava? A Lídia com quem ele se queria sentar à beira rio?

Encontramos Fernando Pessoa…que acompanha Ricardo Reis…Marcenda…uma jovem querida por Reis e que…se envolve num triângulo amoroso? Será?

Foi de facto uma obra que me prendeu por completo. Que me cativava e fascinava a cada frase lida e devorada por mim.

Aconselho-vos de alma e coração. Prometo que não se vão arrepender. Digo-vos que, brevemente terão um post sobre o “Memorial do Convento” , digamos que…merece uma segunda oportunidade de mostrar…toda a aventura do Convento de Mafra, de D.João V que povoou o reino de bastardos…estou bastante expectante, confesso.

Sinopse: Um tempo múltiplo. Labiríntico. As histórias das sociedades humanas. Ricardo Reis chega a Lisboa em finais de dezembro de 1935. Fica até setembro de 1936. Uma personagem vinda de uma outra ficção, a da heteronímia de Fernando Pessoa. E um movimento inverso, logo a começar: «Aqui onde o mar se acaba e a terra principia»; o virar ao contrário o verso de Camões: «Onde a terra acaba e o mar começa.» Em Camões, o movimento é da terra para o mar; no livro de Saramago temos Ricardo Reis a regressar a Portugal por mar. É substituído o movimento épico da partida. Mais uma vez, a história na escrita de Saramago. E as relações entre a vida e a morte. Ricardo Reis chega a Lisboa em finais de dezembro e Fernando Pessoa morreu a 30 de novembro. Ricardo Reis visita-o ao cemitério. Um tempo complexo. O fascismo consolida-se em Portugal.

 

Fonte: Wook

 

Deixo-vos a Sinopse e não se esqueçam de dar os vossos feedbacks!

Beijinhos,

A Alfacinha.

Comments

  1. Pingback: O fim do Reinado de "Os Maias" - A Alfacinha

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *